Formação de Professores de Ciências na perspectiva da Inclusão de Pessoas com Deficiências no Vale do Jaguari

Denise Gabriel de Melo, Simone Medianeira Franzin

Resumo


Diante das transformações da educação brasileira, licenciandos e professores atuantes necessitam refletir sobre sua identidade, em especial sobre a educação inclusiva, contribuindo para a construção de novos rumos do ensino de pessoas com deficiência. O trabalho teve como objetivo identificar a percentagem de pessoas com deficiências nos municípios do Vale do Jaguari/RS, e analisar a realidade das Escolas do município com maior índice de deficiência em duas fontes da pesquisa inicial, verificando a formação dos professores de Ciências que trabalham com alunos com deficiência. O trabalho foi realizado no Instituto Federal Farroupillha Campus São Vicente do Sul, no ano de 2016, em duas etapas: a primeira composta pela análise estatística dos dados de pessoas com deficiência baseados no IBGE (2010) e FADERS (2010) e a segunda na aplicação de questionários para professores de Ciências das escolas do município selecionado. Observou-se percentual elevado de pessoas com deficiências nos municípios do Vale do Jaguari e uma percentagem de matriculados na rede básica de educação.  Evidencia-se que a inclusão de pessoas com deficiência necessita mais do que a obrigatoriedade legal, dando prioridade para condições de participação e aprendizagem tanto na sala de aula quanto em outros espaços da vida cidadã.


Palavras-chave


Educação Inclusiva; Formação; Professores, Ciências.

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: versão atualizada até a Emenda n. 99/2017. Disponível em: http://goo.gl/HwJ1Q. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 10 maio 2016.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 13 maio 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em: http://goo.gl/3YQoF. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 11 abr. 2016.

BRASIL. Portaria n.º 1793, de dezembro de 1994. Brasília, DF, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/portaria1793.pdf. Acesso em: 20 maio 2016.

BARDIN, I. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994. 226 p.

CAMARGO, É. P.; VIVEIROS, E. R. Ensino de ciências e matemática num ambiente inclusivo: pressupostos didáticos e metodológicos. Bauru, 2006.

COSTA, A. G. G. V. et al. A Importância da Equipe Multidisciplinar na melhoria da qualidade de vida e inclusão social de indivíduos portadores de necessidades especiais assistidos pela APAE de Viçosa, MG. Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2003. Disponível em: http://www.prac.ufpb.br/anais/Icbeu_anais/anais/saude/multidisciplinar.pdf. Acesso em: 20 maio 2016.

DÁMAZIO, M. F. M. Atendimento Educacional Especializado: Pessoa com surdez. Brasília: SEESP/SEED/MEC, 2007.

DIAS, A. B.; CAMPOS, L. M. L. A educação inclusiva e o ensino de Ciências e de Biologia: a compreensão de professores do ensino básico e de alunos da licenciatura. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9., Águas de Lindóia, São Paulo, 2013.

FÁVERO, O. et al. (Org.).Tornar a educação inclusiva. Brasília: Unesco, 2009. 220 p.

FUNDAÇÃO DE ARTICULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E PESSOAS COM ALTAS HABILIDADES ENO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: http://www.portaldeacessibilidade.rs.gov.br/uploads/1370884414MUNICIPIOS_RS_IBGE_2010_RESUMO.pdf. Acesso em: 24mar. 2016.

FIGUEIREDO, N. M. A. Método e metodologia na pesquisa científica. 3. ed. São Paulo: Difusão, 2008.

FRANZIN, S. M. et al. Formação de professores de Ciências Biológicas e a preocupação com as necessidades específicas na sala de aula. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 51, p.93-102, jan./abr. 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GADOTTI, M. Qualidade na Educação: uma nova abordagem. Congresso de Educação básica: qualidade na aprendizagem. Florianópolis, 2013. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2013_16.22.16.85d3681692786726aa2c7daa4389040f.pdf. Acesso em: 24 de maio 2016.

GARCÍA, M. C. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. 8. ed. Lisboa: Sísifo, 2009.

GARCÍA, M. C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. 3. ed. Belo Horizonte: Autentica, 2010. Disponível em: http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br/. Acesso em: 24 jun. 2016.

GARCIA, D. I. B. (Org.). Aprendizagem e desenvolvimento das funções complexas do pensamento e a deficiência intelectual na perspectiva histórico-cultural. Maringá: Eduem, 2012.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011. 300 p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: 24 mar. 2016.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1987.

MACHADO, N. J. Qualidade da educação: cinco lembretes e uma lembrança. 61. ed. São Paulo: USP, 2007.

MARTINS, L. A. R.; PIRES, J.; PIRES, G. N. L. (Org.). Políticas públicas e formação docente para atuação com a diversidade. Natal: EDUFRN, 2009.

MENDES, E.G. Caminhos da pesquisa sobre formação de professores para a inclusão escolar. Brasília: CAPES-PROESP, 2008. p. 92-122.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO [MEC]. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 17, de 3 de julho de 2001. Relatores: Kuno Paulo Rhoden e Sylvia Figueiredo Gouvêa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 46, ago., 2001. Disponível em: https://goo.gl/wDVBtC. Acesso em: 30 jun. 2018.

MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (Org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012.

NOVOA, A. Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Universidad de Lisboa: Lisboa, 2006.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

RAMALHO, B. L.; NÚÑEZ, I. B. Diagnóstico das necessidades formativas de professores do ensino médio no contexto das reformas curriculares. Revista Educação em Questão, Natal, v. 40, n. 26, p. 69-96, jan./jun. 2011.

RAYMUNDO, D. C. R. et al. A formação do profissional da Educação na atualidade e o caso da Educação Inclusiva no Brasil. Disponível em: https://goo.gl/7dHdL5. Acesso em: 18 jun. 2016.

SANTOS, L. A. J.; DUARTE, A. C. S. A Formação continuada de professores de Ciências na perspectiva da escola inclusiva. CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA, 1.; JORNADA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 13., 2016. Disponível em: http://www.fundepe.com/jee2016/cd/arquivos/109583.pdf. Acesso em: 18 jun. 2016.

SILVA, C. F.; GAIA, M. C. M. Educação Inclusiva e o ensino de Ciências. Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. 2013.

TEIXEIRA, F. M. Fundamentos teóricos que envolvem a concepção de conceitos científicos na construção do conhecimento das ciências naturais. Ensaio, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 121-132, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 InFor

       

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by NEaD/Unesp e Vice-Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao NEaD, à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor@nead.unesp.br

ISSN 2525-3476