O uso da internet nas salas de aula para o Ensino de Língua Inglesa

Elisama Maria da Silva Oliveira

Resumo


Este trabalho teve como objetivo verificar o uso da Internet nas salas de aula com alunos do Ensino Médio de uma escola na região de Marília e as consequências resultantes para o ensino-aprendizagem de língua inglesa, sendo utilizada como metodologia a pesquisa de campo com abordagem qualitativa. Foram realizadas entrevistas com o público alvo contemplando perguntas abertas e fechadas cujos resultados demonstraram que nesta escola os alunos e professores acreditam na importância do uso da Internet nas salas de aulas para aprendizagem de língua inglesa. Diante dos dados coletados nesta pesquisa, foi possível observar que a internet tem sido usada nas salas de aula, e tanto os alunos quanto os professores têm consciência da necessidade de se inovar no ensino. 


Palavras-chave


aprendizagem, internet e língua inglesa

Texto completo:

PDF

Referências


BENEDITO, J. Dicionário da Internet e do Telemóvel. Lisboa: Centro Atlântico, 2003.

FARIAS, E. Elaboração de Instrumentos de pesquisa – entrevistas e questionários. Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá, 2002.

FERREIRA, A. Avaliação de Aspectos Motivacionais da interface de cursos de Inglês baseados em web com Webmac (Website motivational analysis checklist). In: COLLINS, H.; FERREIRA, A. (Org.). Relatos de Experiência de Ensino e Aprendizagem de Línguas na Internet. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004.

HADFIELD, J. Manual Oxford de introdução ao ensino da língua inglesa. Tradução de Sueli Monteiro. Curitiba: Positivo, 2009.

IVIC, I.; COELHO, Edgar Pereira (Org.). Lev Semionovich Vygotsky. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, 2010.

KRASHEN, S.; TERREL, T. The Natural Approach: Language Acquisition in the classroom. Oxford: Pergamon, 1983.

KRASHEN, S. D. Principles and practice in second language acquisition. Oxford: Pergamon Press, 1982.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U, 1986.

MATUI, J. Construtivismo: teoria construtivista sócio-histórica aplicada ao ensino. São Paulo: Moderna,1995.

MORAN, J. M. Ensino e Aprendizagem Inovadores com Tecnologias Audiovisuais e Telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T;

BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 17. ed. Campinas, SP: Papirus, 2010.

MOREIRA, M. A. A teoria da mediação de Vygotsky. In: Teorias da Aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

NORTE, M. B. Estudo cooperativo e auto-aprendizagem de línguas estrangeiras por meio de tecnologias de informação e comunicação/internet. In: Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Artmed, 2005.

PAIVA, V. L. M. O. A www e o ensino de Inglês. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, v. 1, n. 1, p.93-116, 2001.

PIAGET, J. A construção do real na criança. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Tradução de Marion Merlone dos Santos Penna. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

PIAGET, J.; GRECO, P. Aprendizagem e conhecimento. São Paulo: Freitas Bastos, 1974.

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação & Sociedade, Campinas (SP), v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002.

VENTURI, M. A. Aquisição de língua estrangeira numa perspectiva de estudos aplicados. São Paulo: Contexto, 2006.

VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria da Penha

Villalobo. São Paulo: Ícone/EPU, 1988.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Tradução de Jéferson Luís Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 InFor

       

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by NEaD/Unesp e Vice-Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao NEaD, à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor@nead.unesp.br

ISSN 2525-3476