No caminho da autoria: criação de jogos educativos no PowerPoint por estudantes com altas habilidades ou superdotação

Fernanda Depizzol Paes Ferreira, Ketilin Mayra Pedro

Resumo


Cada vez mais crianças jogam vídeo games e jogos online por meio do computador. Nesta perspectiva, uma das causas apontadas para a dificuldade e o desinteresse pelo aprendizado é o fato de que a escola não utiliza a linguagem dos estudantes cujas vidas estão centradas na tecnologia. Sendo assim, nosso objetivo foi pesquisar e elaborar jogos educativos no PowerPoint para estudantes com AH/SD, com o intuito de estimular e desenvolver suas potencialidades, além de trabalhar com situações que desafiam os estudantes a buscarem novas soluções e estratégias no processo educativo. Após termos selecionados dois estudantes que apresentavam indicadores de AH/SD, eles responderam um questionário investigativo, que procurava traçar os interesses e suas habilidades em tecnologias, como computador, celular, internet e tablets, em seguida foram elaborados jogos para aprimorar e desenvolver suas habilidades. Durante a elaboração, pudemos observar como os estudantes estavam estimulados com a montagem e programação das fases e níveis dos jogos, e a cada etapa vencida da execução, mais eles apresentavam-se interessados em criar novos desafios e aprimoramento dos jogos. Acreditamos que, contribuímos para o desenvolvimento das potencialidades individuais dos estudantes com indicativos de AH/SD e proporcionamos a autoria de jogos educativos.

Palavras-chave


Educação; Educação Especial; Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação; Inclusão

Referências


ALMEIDA, N. et al. Tecnologia na Escola: Abordagem pedagógica e abordagem técnica. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nos 1/1992 a 68/2011, pelo Decreto Legislativo nº 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/1994. – 35. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2012. 454 p.

CHACON, M. C. M.; PEDRO, K. M. Tecnologias digitais de informação e comunicação. São Paulo: AVA Moodle Unesp [Edutec], 2016. Trata-se de um texto do tipo e-book da semana 1 da disciplina Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação, Programa Rede São Paulo de Formação Docente. Acesso restrito. Disponível em: http://edutec.unesp.br/moodle/pluginfile.php/102609/mod_resource/content/18/index.html#. Acesso em 19 fev. 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa, São Paulo, Editora Paz e Terra, 1996, 29ªed.

FREITAS, S. N. Altas Habilidades/superdotação: processos de mediação com a utilização das tecnologias de informação e comunicação. In:

GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B.; OMOTE, S. (Org.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 185-210.

LAGARTO, J. R. Inovação, TIC e sala de aula. In: CAVALHEIRI, A.;

ENGERROFF, S. N.; SILVA, J. C. (Org.). As novas tecnologias e os desafios para uma educação humanizadora. 1 ed. Santa Maria: Biblos, 2013. p.133-158.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como fazer?. São Paulo: Summus, 2015.

MATTAR, J. Games em Educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

MONTEIRO, A. R. História da Educação: do antigo “direito de educação” ao novo “direito à educação”. Cortez Editora: São Paulo, 2006.

PALFREY, J; GASSER, U. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração dos nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PEDRO, K. M. Estudo Comparativo entre nativos digitais sem e com Precocidade e Comportamento Dotado. 2016. 254 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2016.

PEREIRA, V. L. P. Superdotação e currículo escolar: Potenciais superiores e seus desafios da perspectiva da educação inclusiva. In:

VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Editora Papirus, 2014. p. 373-388.

RENZULLI, J. S. A concepção de superdotação no modelo dos três anéis: Um modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Editora Papirus, 2014. p. 219-264.

RENZULLI, J. S. “o que é essa coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos”. Revista Educação, ano 27, v. 1, n. 52, jan.-abr., p. 75-131.

SAVI. R; ULBRICHT, V. R. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. Revista Novas Tecnologias na Educação. v. 6, n. 2, p. 1-10. 2008. Disponível em: www.seer.ufrgs.br/renote/article/download/%2014405/8310. Acesso em: 15 jan. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 InFor

       

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by NEaD/Unesp e Vice-Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao NEaD, à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor@nead.unesp.br

ISSN 2525-3476