O uso de Metodologias Ativas no processo de aprendizagem: ensino disruptivo na graduação

Carlos Daniel da Silva

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho de alunos do curso de Administração, na disciplina de Métodos Quantitativos Aplicados à Gestão, que aborda especificamente os conteúdos de estatística. Para isso, foi feito um estudo de duas turmas, em uma se trabalhou um semestre com metodologias ativas: Peer Instruction, Flipped Classroom e Hands-on-Tec; e na outra com ensino tradicional, com aulas expositivas e avaliações convencionais (prova). Foi utilizada pesquisa bibliográfica para embasamento teórico, aplicação de questionário para auferir a percepção da turma quanto ao uso das metodologias ativas com uso das TICs, e teste-t independente, com teste de Levene para igualdade de variância. Os testes evidenciaram que a turma que trabalhou com as metodologias ativas apresentou resultados diferentes, e superior na média das notas.


Palavras-chave


Educação; Tecnologias; Tecnologias Digitais da Informação; Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


BARBETTA, P. Alberto. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. 5. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/10999. Acesso em: 16 dez. 2020.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida. Uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

BRIGHENTI, J.; BIAVATTI, V. T.; SOUZA, T. R. Metodologias de Ensino-Aprendizagem: uma abordagem sob a percepção dos alunos. Revista GUAL, Florianópolis, v. 8, n. 3, p. 281-304, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/view/1983-4535.2015v8n3p281/30483. Acesso em: 16 dez. 2020.

CHARPAK, G. La Main à La Pâte - les sciences a l´école primaire. Paris: Flammarion, 1996.

DEWEY, J. Vida e Educação. São Paulo: Nacional, 1959.

DEMO, P. Atividades de aprendizagem: sair da mania do ensino para comprometer-se com a aprendizagem do estudante. Campo Grande, MS: Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul – SED/MS, 2018. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/eBook-Atividades-de-Aprendizagem-Pedro-Demo.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. 36. ed, São Paulo: Paz e Terra, 2009.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MANFREDI, S. M. Metodologia do ensino - diferentes concepções. Campinas-SP: F.E./UNICAMP, 1993. Mimeo. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1974332/mod_resource/content/1/METODOLOGIA-DO-ENSINO-diferentes-concep%C3%A7%C3%B5es.pdf. Acesso em: 16 de dez. 2020.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 34-72.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. 2. ed. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1999.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: https://www.feevale.br/Comum/midias/0163c988-1f5d-496f-b118-a6e009a7a2f9/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.

RIFKIN, J. A terceira revolução industrial. Exame, São Paulo, v. 46, n. 11, p.138-140, 2012.

ROGERS, C. Liberdade para Aprender. Belo Horizonte: Interlivros, 1973.

SANTOS ROSA, S.; ROSA, V. Hands-on-Tec (HoT): Proposta de uma sequência didática para o Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Plataforma Educacional Handstec.org. 2013. Disponível em: http://www.handstec.org/. Acesso em: 11 out. 2019.

SCHELL, J. Peer Instruction 101: What is Peer Instruction? 2012. Turn to Your Neighbor: The official Peer Instruction Blog. Disponível em: https://peerinstruction.wordpress.com/2012/03/15/peer-instruction-101-what-is-peer-instruction/. Acesso em: 16 dez. 2020.

SHUELL, Thomas J. Cognitive Conceptions of Learning. Review of Educational Research, v. 56, n. 4, p. 411-436, 1986. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.3102/00346543056004411. Acesso em: 16 dez. 2020.

SCHWAB, K. A quarta revolução industrial. São Paulo: Edipro, 2018.

VILAÇA, M. L. C.; ARAÚJO, E. V. F. Tecnologia, sociedade e educação na era digital. Duque de Caxias, RJ: UNIGRANRIO, 2016. Disponível em: http://www.pgcl.uenf.br/arquivos/tecnologia,sociedadeeeducacaonaeradigital_011120181554.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 InFor

             

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476