Professores do atendimento educacional especializado e sua percepção acerca do estudante com deficiência intelectual

Fernanda Oscar Dourado Valentim, Kátia de Moura Graça Paixão

Resumo


A educação especial no Brasil passou por várias transformações ao longo dos anos, sendo o Atendimento Educacional Especializado a configuração oficial atual de organização desta modalidade nas redes de ensino. A pesquisa que se apresenta é um recorte do projeto “Política pública e formação de professores: em foco a apropriação da escrita na área da deficiência intelectual” com objetivo de investigar a percepção dos professores de um município do interior do estado de São Paulo que atuam no atendimento educacional especializado sobre este serviço direcionado ao estudante com esta deficiência. A metodologia se configurou por meio de coleta de dados, via questionário, com perguntas abertas acerca do tema Atendimento Educacional Especializado e deficiência intelectual, prioritariamente. Participaram deste levantamento 29 professores. Os resultados demonstraram uma percepção por parte dos professores, em sua maioria, de que o atendimento educacional especializado é um dos fatores responsáveis pela inclusão desse estudante na escola, além de ser responsável por planejar, adaptar e oferecer recursos para que estes possam ter suas necessidades atendidas na sala de aula comum. Sobre o tema deficiência intelectual, as maiores dificuldades apontadas foram a questão da comunicação e comportamento, além da dificuldade no desenvolvimento de habilidades de aprendizagens de acordo com o ano que o estudante estava matriculado. Percebe-se, com base nestes dados, que as indagações e questionamentos acerca do atendimento das particularidades e necessidades daqueles com deficiência intelectual se mantêm, mesmo após mais de 10 anos de implantação da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, pelo Brasil, a partir de 2008.

Palavras-chave


Deficiência intelectual. Atendimento Educacional Especializado. Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ANACHE, A. A. et al. Atendimento educacional especializado nas salas de recurso multifuncionais nos municípios de Campo Grande, Paranaíba e Dourados. In: MENDES, E. G.; CIA, F.; TANNÚS-VALADÃO, G. (Org.). Inclusão escolar em foco: organização e funcionamento do atendimento educacional especializado. São Carlos: Marquezine & Manzini. Marília: ABPEE, 2015. p. 67-90.

ANACHE, A. A.; MITJÁNS, A. M. Deficiência mental e produção científica na base de dados da CAPES: o lugar da aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 11, n. 2, p. 253-274, 2007.

BRASIL. Secretaria-Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Secretaria-Geral, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 26 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília: MEC, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em 25 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 21 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 21 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996.

DUBOC, M. J. O; RIBEIRO, S. L. As salas de recursos multifuncionais: Organização, concepções e práticas em Feira de Santana-BA. In: MENDES, E.G.; CIA, F.; TANNÚS-VALADÃO, G. (Org.). Inclusão escolar em foco: organização e funcionamento do atendimento educacional especializado. São Carlos: Marquezine & Manzini. Marília: ABPEE, 2015. p. 163-162.

GONZÁLEZ, J. A. T. Educação e diversidade: bases didáticas e organizativas. Porto Alegre: ArtMed, 2002.

JESUS, D. M. Atendimento Educacional Especializado e seus sentidos: pela narrativa de professoras de atendimento educacional especializado. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M. Prática Pedagógica na Educação especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara: Junqueira & Marin, 2013, p.127-150.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS [INEP]. Censo Escolar 2018. Notas Estatísticas. Brasília: INEP, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

MATURANA, A. P. P. M.; MENDES, E. G. Inclusão e deficiência intelectual: escola especial e comum sob a óptica dos próprios alunos. Educar em Revista, Curitiba, n. 66, p. 209-226, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40602017000400209&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 ago. 2020.

MELO, H. C. B. A percepção das professoras de Salas de Recursos Multifuncionais do Município de Dourados-MS: atuação no Atendimento Educacional Especializado. 2014, p. 134. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2014.

MENDES. E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 387-405, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n33/a02v1133.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

OLIVEIRA, A. A. S. Política Pública de Educação Especial: Análise do Atendimento Educacional Especializado realizado em salas de recursos multifuncionais. Relatório Científico. Estágio Pós-doutoral. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2019.

OLIVEIRA, A. A. S. Conhecimento escolar e deficiência intelectual: dados da realidade. Curitiba: CRV, 2018.

OLIVEIRA, A. A. S. Avaliação da Condição de Alfabetização de Estudantes com Deficiência Intelectual no Contexto Inclusivo. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 23, n. 31, p. 1-13, 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA [UNESCO]. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca: Unesco, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

PAIXÃO, K. M. G.; OLIVEIRA, A. A. S. Deficiência intelectual e linguagem escrita: discutindo a mediação pedagógica. Horizontes, Itatiba, v. 36, n. 3, p. 86-98, 2018.

PLETSCH, M. D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de Janeiro: NAU/EDUR, 2010.

PLETSCH, M. D.; GLAT, R. Plano Educacional Individualizado (PEI): um diálogo entre práticas curriculares e processos de avaliação escolar. In: GLAT, R.; PLETSCH, M. D. (Org.). Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades educacionais especiais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. p. 17-32.

VALENTIM. F. O. D. Inclusão de alunos com deficiência intelectual: considerações sobre avaliação da aprendizagem escolar. 2011. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2011.

VALENTIM, F. O. D; OLIVEIRA, A. A. S. Avaliação da aprendizagem e deficiência intelectual na perspectiva de professores do ensino comum. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, n. 40, p. 851-871, 2013. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2569. Acesso em: 26 ago. 2020.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 InFor e autores

             

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476