Fatores favorecedores na inclusão da criança com deficiência visual na Educação Infantil: a perspectiva do brincar

Keli dos Santos Guadagnino

Resumo


Esse artigo aborda a temática da inclusão da criança com deficiência visual no contexto da Educação Infantil, considerando a perspectiva do brincar. A problematização desse estudo partiu do questionamento sobre quais práticas utilizadas pelos professores no momento do brincar podem favorecer o desenvolvimento da criança com deficiência visual? Teve como objetivo identificar possíveis fatores favorecedores do brincar que contribuam para o desenvolvimento e aprendizagem da criança com deficiência visual por meio de um estudo bibliográfico. A coleta de dados foi realizada no Portal de Periódicos CAPES, considerando publicações entre 2008 a 2018, e os descritores: Brincar AND Deficiência Visual AND Educação Infantil. Obteve-se o resultado de 204 artigos sobre a temática e desses, após análise preliminar, apenas cinco se adequaram ao objetivo desse estudo. Os cinco artigos selecionados foram submetidos à análise de conteúdo, considerando os temas que emergiram dos próprios dados. Como resultados, constatou-se que os educadores que atuam com crianças com deficiência visual devem ter maior atenção quanto à mediação das ações pedagógicas e planejar as atividades pensando em recursos e estratégias de apoio para a criança, assim como, o uso da linguagem, aspecto em destaque nos artigos analisados. A comunicação dos educadores nessas relações torna-se primordial para auxiliar no desenvolvimento das crianças com deficiência visual. Foram discutidos nesse estudo apenas alguns aspectos envolvidos com a temática. Portanto, sugere-se a relevância da realização de novas pesquisas considerando-se as diversas especificidades existente no âmbito do brincar.

Palavras-chave


Brincar. Deficiência Visual. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBARRAN, P. A. O; CRUZ, E. A. P. S; SILVA, D. N. H. Crianças com cegueira e baixa visão: o brincar na perspectiva histórico-cultural. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 2, p. 199-210, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de L. A. Reto; A. Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb005_09.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. v. 1. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

CARVALHO, A. M; PEREIRA, R. Brincar é assunto sério! Revista Louis Braille, v. 7, p. 9-10, 2013.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

KISHIMOTO, T. M. Brinquedos e brincadeiras na educação infantil. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais do I SNCM. Belo Horizonte: MEC, 2010. p. 1-20. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7155-2-3-brinquedos-brincadeiras-tizuko-morchida&category_slug=dezembro-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 26 ago. 2020.

LEONTIEV, A. N. Os Princípios Psicológicos da Brincadeira Pré-escolar. In: VIGOTSKI, L. S; LURIA, A. R; LEONTIEV, A. N. (Org.). Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1994. p. 119-140.

OLIVEIRA, J. P; BRAGA, T. M. S. Estratégias para favorecer o desenvolvimento da linguagem de crianças cegas e com baixa visão no ensino infantil. In: OLIVEIRA, J. P et al. (Org.). Perspectivas e contribuições da educação especial para a inclusão escolar. 1. ed. Curitiba: CRV, 2014. p. 107-129.

PIECZKOWSKI, T. M. Z; LIMA, A. F. Brincar na infância: importância e singularidades para crianças com deficiência visual. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 12, n. 1, p. 9-24, 2017.

ROCHA, K. C. C.; LOURENÇO, E. A. G. A criança com deficiência visual em situações de brincadeiras na Educação Infantil. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 52, p. 339-349, 2015.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de Revisão Sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12.pdf. Acesso em: 27 ago. 2020.

VIGOTSKI, L. S; LURIA, A. R; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. 16. ed. São Paulo: Ícone, 2018.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Ensaios comentados. São Paulo: Ática, 2009.

VYGOTSKY, L. S.; A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKI, L. S. Fundamentos da Defectologia. Obras completas. Tomo Cinco. Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 InFor e autores

             

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476