Framework de acessibilidade: construção de um protótipo para projetos de design educacional inclusivos na Educação a Distância

Paula Carolei, Cícera Aparecida Lima Malheiro, Lincoln Luis Carneiro

Resumo


Para o desenvolvimento do presente estudo foi estabelecido como objetivo geral apresentar elementos conceituais que podem contribuir para as adequações da acessibilidade na educação a distância, visando a estruturação de um framework que pode ser aplicado em projetos de design educacional. As bases conceituais estudadas foram: acessibilidade, design universal, ergonomia cognitiva e o sociointeracionismo. Para o desenvolvimento do estudo foi empregado o método da Design Science Research. O framework para a análise da acessibilidade foi organizado em quatro seções tendo como referência as bases conceituais estudadas e foram compostas da seguinte forma: na seção um considera-se os princípios do design universal; a seção dois contempla os recursos e adaptações da tecnologia assistiva; a seção três corresponde aos elementos da ergonomia cognitiva; e a seção quatro incorpora a escuta, empatia, interação e colaboração a partir da teoria sociointeracionista. Para cada seção realizou-se breve descrição orientadora que foram divididas em: recursos, atividades, participação dos alunos e ações do professor. Para cada uma se estabeleceu as seguintes complementações: aplica; não se aplica, aplica parcialmente. Quando são aplicados de forma parcial, podem ser adicionadas observações indicando a reformulação do projeto. Conclui-se que as bases conceituais e teóricas que resultaram na construção do framework ampliam o que se entende por acessibilidade na educação a distância.


Palavras-chave


Acessibilidade, Framework; Design Educacional

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS [ABNT]. ABNT NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2. ed. Rio de Janeiro, 2015.

ALVES, A. C. J. Avaliação de Tecnologia Assistiva predisposição ao uso – ATD PA Br. Brasília: Universidade de Brasília, 2017. (versão brasileira). Disponível em: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/31065/1/RELATORIO_AvaliacaodetecnologiaassistivaATDPA.pdf. Acesso em: 23 dez. 2020.

ASSIS, S. R.; MACIEL, R. S. P. Um framework de apoio ao desenvolvimento de aplicações baseadas em documentos. In: Escola Regional de Computação Bahia – Sergipe, 4., 2004, Feira de Santana. Anais [...] Feira de Santana: ERBASE, 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228730701_Um_framework_de_apoio_ao_desenvolvimento_de_aplicacoes_baseadas_em_documentos. Acesso em: 23 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 6 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 23 dez. 2020.

BYINGTON, C. Construção Amorosa do Saber. São Paulo: Religare, 2003.

CAÑAS, J. J.; WAERNS, Y. Ergonomía Cognitiva. Aspectos Psicológicos de la Interacción de las Personas con la Tecnología de la Información. Madrid: Editorial Médica Panamericana, 2001.

CARVALHO, M. C. Design de informação e interação: um estudo exploratório em portais de Assessorias de Relações Internacionais de Instituições de Ensino Superior. 2019. 122 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2019.

COSTA, K. N. T. Ergonomia aplicada ao mobile-learning: um estudo dos aspectos de interação e usabilidade no uso de sistemas educacionais em dispositivos móveis. 2019. 149 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

CUNHA, N. R. B. Design de estratégias pedagógicas como proposta de formação de professores. 2019. 142 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de São Paulo, Diadema, 2019.

DRESCH, A.; LACERDA, D. P.; ANTUNES JUNIOR, J. A. V. Design Science Research: Método de Pesquisa para Avanço da Ciência e Tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2015.

FALZON, P. Ergonomia. São Paulo: Blucher, 2014.

FLANAGAN, M. Critical play: radical game design. Cambridge, USA: MIT Press, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

FILATRO, A. et al. DI 4.0. Inovação na Educação Corporativa. São Paulo: Saraiva, 2019.

FILATRO, A.; CAIRO, S. Produção de conteúdos educacionais. Design Instrucional Tecnologia Gestão Educação Comunicação. São Paulo: Saraiva, 2015.

GARCIA, F. E. An Inclusive End-User Development Framework for Tailorable Games. 2019. 312 f. Tese (Doutorado em Ciência da Computação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2019.

IIDA, I. BUARQUE, L. Ergonomia. Projetos e Produção. 3. ed. São Paulo: Blucher, 2016.

LATOUR, B. Reagregando o social. Salvador: UFBA, 2012.

LEVY, P. A Esfera Semântica. São Paulo: Anne Blume, 2013.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos. São Paulo: Zahar.1999.

MACIEL, C. V. Universal D: Proposta de ferramenta de apoio ao projeto arquitetônico sob a abordagem do desenho universal. 2019. 189 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.

MILLER, C. H. Digital Storytelling: a creator’s guide to interactive entertainment. United Kingdom: Taylor & Francis, 2004.

MOTTA, L. M. V. M. Audiodescrição na Escola. Abrindo Caminhos para Leitura de Mundo. São Paulo: Pontes, 2017.

NATIONAL COUNCIL ON DISABILITY [NCD]. Study on the Financing of Assistive Technology Devices of Services for Individuals with Disabilities - A report to the president and the congress of the United State. Washington: National Council on Disability, 1993.

REZENDE, A. L. A. et al. A trajetória da Inclusão. In: SONZA, A. P. et al. (Org.). Acessibilidade e Tecnologia Assistiva. Pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. Bento Gonçalves, RS: Instituto Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

RODRIGUES, E. A. Avaliação de ferramentas de monitoramento de interações online no moodle. 2018. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, 2018.

ROLLINGS, A.; MORRIS, D. Game Architecture and Design. Indiana: New Rider, 2004.

SALEN, K.; ZIMMERMANN, E. (Org). The Game Design Reader: a rules of play anthology. Cambridge, USA: MIT Press, 2006.

SANTOS, B. S. A Universidade no Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. Recife: Cortez. 2017.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e palavra. In: A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

THE CENTER FOR UNIVERSAL DESIGN [TCUD]. Environments and Product for All People. North Carolina, USA: North Carolina State University, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 InFor

             

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476