Teoria histórico-cultural, formação de professores e deficiência intelectual: um estudo bibliográfico

Ana Paula de Oliveira Augusto, Anna Augusta Sampaio de Oliveira, Kátia de Abreu Fonseca

Resumo


A inclusão escolar de alunos com deficiência intelectual nas salas de ensino comum tem sido motivo de preocupação para os professores que encontram dificuldades para atuar neste contexto, resultando em questionamentos sobre suas práticas-pedagógicas, assim, como sua formação. Com intuito de demonstrar a esse profissional produções científicas que podem colaborar com o entendimento da inclusão escolar, este estudo teve como objetivo fazer um mapeamento das produções científicas, no período de 2007 a 2017, no âmbito da formação continuada do professor, a partir da teoria histórico-cultural. Tendo como ponto de partida a questão: De que forma a teoria histórico-cultural pode contribuir para a formação continuada de professores que trabalham com esses alunos, na perspectiva inclusiva? A pesquisa foi realizada por meio de estudo bibliográfico de caráter qualitativo, e a coleta de dados foi realizada no Banco de Dados Scientific Electronic Library Online (Scielo), por meio de quatro combinações dos seguintes descritores: “histórico-cultural”, “formação de professores” e “deficiência intelectual”, o que nos permitiu encontrar 16 artigos. Foram lidos os resumos e, quando necessário, lidos integralmente.  Os resultados nos permitiram afirmar que as contribuições de Vygotski corroboram o princípio da inclusão ao fundamentar a prática educativa dos professores, permitindo ressignificação de concepções e práticas pedagógicas que muitas vezes aparecem como tensão quando pensamos em diferenças e práticas excludentes.


Palavras-chave


Teoria histórico-cultural. Formação de professores. Deficiência intelectual. Inclusão escolar.

Texto completo:

PDF RESUMO.MP3 COMPLETO.MP3

Referências


ALCÂNTARA, J. N. A formação continuada de professores na perspectiva da educação inclusiva: desvelando os fios da trama. 2014. 230f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

ANDRADE, S. G. Ação docente, formação continuada e inclusão escolar. 2005. 204f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ANDRADE, S. G. Inclusão escolar e formação continuada de professores: relações e contrapontos. Poiésis, Tubarão, n. 1, v. 1, p. 86-100, 2008.

BIBAS, J. M.; VALENTE, M. I. Reviver Associação Down. 2007. Disponível em: http://www.reviverdown.org.br. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Casa Civil, 1996.

BRAUN, P. Uma intervenção colaborativa sobre os processos de ensino e aprendizagem do aluno com deficiência intelectual. 2012. 324f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

BRAUN, P.; NUNES, L. R. O. P. A formação de conceitos em alunos com deficiência Intelectual: o caso de Ian. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 1, p. 75-92, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v21n1/1413-6538-rbee-21-01-00075.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

DIAS, M. S.; SOUZA, N. M. M. Contribuições para compreender a formação na licenciatura e na docência. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-24, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v33/1982-6621-edur-33-e157758.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

DIAS, S. S.; OLIVEIRA, M. C. S. L. Deficiência intelectual na perspectiva histórico-cultural: contribuições ao estudo do desenvolvimento adulto. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 19, n. 2, p. 169-182, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v19n2/a03v19n2.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

FICHTNER, B. Introdução na abordagem histórico-cultural de Vygotsky e seus colaboradores. 2010. Disponível em: http://www3.fe.usp.br/secoes/inst/novo/agenda_eventos/docente/PDF_SWF/226Reader%20Vygotskij.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

FIORINI, M. L. S. Concepção do professor de Educação Física sobre a inclusão do aluno com deficiência. 2011. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2011.

FREITAS, A. P. Um estudo sobre as relações de ensino na educação inclusiva: indícios das possibilidades de desenvolvimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 3, p. 411-430, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v18n3/a05.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

GLAT, R.; BLANCO, L. M. Educação especial no contexto de uma educação inclusiva. In: GLAT, R. (Org.) Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. 2d. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2011, p. 15-35.

GLAT, R. et al. Panorama Nacional da Educação Inclusiva no Brasil. Banco Mundial, 2003. (Relatório de consultoria técnica). Disponível em: www.cnotinfor.pt/projectos/worldbank/inclusiva. Acesso em: 10 Jan. 2017.

LEONARDO, N. S. T.; SILVA, V. G. A relação entre aprendizagem e desenvolvimento na compreensão de professores do Ensino Fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 17, n. 2, p. 309-317, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v17n2/v17n2a13.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

LOPES, A. R. L. V.; VAZ, H. G. B. O movimento de formação docente no ensino de Geometria nos anos iniciais. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1003-1025, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v39n4/04.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

MANTOAN, M. T. E.; PRIETO, R. G.; ARANTES, V. A. (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; TOYODA, C. Y. Inclusão escolar pela via da colaboração entre educação especial e educação regular. Educar em Revista, Curitiba, n. 41, p. 81-93, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n41/06.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

MENDONÇA, F. L. R. Entre concepções docentes e práticas pedagógicas: o processo de inclusão de alunos com deficiência intelectual na rede pública de ensino do distrito federal. 2013. 165f. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2013.

MENDONCA, F. L. R.; SILVA, D. N. H. A formação docente no contexto da inclusão: para uma nova metodologia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 157, p. 508-526, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v45n157/1980-5314-cp-45-157-00508.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

MORETTI, V. D.; MOURA, M. O. Professores de matemática em atividade de ensino: contribuições da perspectiva histórico-cultural para a formação docente. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 2, p. 435-450, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v17n2/a12v17n2.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

NASCIMENTO, M. G. A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemática. Ciclo de Conferências da Constituinte Escolar, Belo Horizonte, Caderno Temático, n. 5, 2000.

NUNES, L. R. O. P.; BRAUN, P.; WALTER, C. C. F. Procedimentos e recursos de ensino para aluno com deficiência: o que tem sido disseminado nos trabalhos GT15 da ANPEd sobre esses temas? Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, Edição especial, p. 23-40, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v17nspe1/04.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

OLIVEIRA, A. A. S. Conhecimento Escolar e Deficiência Intelectual: dados da realidade. Curitiba: CRV, 2018.

OLIVEIRA, A. A. S.; VALENTIM, F. O. D.; SILVA, L. H. Avaliação pedagógica: foco na deficiência intelectual numa perspectiva Inclusiva. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

OLIVEIRA, A. A. S. Aprendizagem escolar e Deficiência Intelectual: a questão da avaliação curricular. In: PLETSCH, M. D.; DAMASCENO, A. (Org.). Educação Especial e inclusão escolar: reflexões sobre o fazer pedagógico desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. Rio de Janeiro: Edur, 2011. p. 10-21.

OLIVEIRA, A. A. S. Representações sociais sobre educação especial e deficiência: o ponto de vista de alunos deficientes e professores especializados. 2002. 325f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA [UNESCO]. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca: Unesco, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

PADILHA, A. M. L. Desenvolvimento Cultural e Educação Especial: Aporte Teórico para pensar o Desenvolvimento Psíquico do Deficiente Intelectual. In: OMOTE, S.; OLIVEIRA, A. A. S.; CHACON, M. C. M. (Org.) Ciência e Conhecimento em Educação Especial. São Carlos: ABPEE/Marquezine & Manzine, 2014. p. 89-114.

PADILHA, A. M. L. Desenvolvimento psíquico e elaboração conceitual por alunos com deficiência intelectual na educação escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 23, n. 1, p. 9-20, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v23n1/1413-6538-rbee-23-01-0009.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

PLETSCH, M. D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. 2. ed., rev. e ampl. Rio de Janeiro: NAU, 2014.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed., São Paulo: Atlas, 2008.

ROSSATO, S. P. M.; LEONARDO, N. S. T. A queixa escolar na perspectiva de educadores da Educação Especial. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 15-23, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v16n1/02.pdf. Acesso em: 4 nov. 2019.

SFORNI, M. S. F. Interação entre Didática e Teoria Histórico-Cultural. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 375-397, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v40n2/2175-6236-edreal-45965.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

SILVA, L. H. A.; FERREIRA, F. C. A importância da reflexão compartilhada no processo de evolução conceitual de professores de ciências sobre seu papel na mediação do conhecimento no contexto escolar. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 2, p. 425-438, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v19n2/a13v19n2.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

SILVEIRA, K. A; ENUMO, S. R. F.; ROSA, E. M. Concepções de professores sobre inclusão escolar e interações em ambiente inclusivo: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 4, p. 695-708, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v18n4/a11v18n4.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

SOUZA, F. S.; BATISTA, C. G. Indicadores de desenvolvimento em crianças e adolescentes com QI igual ou inferior a 70. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 22, n. 4, p. 493-510, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v22n4/1413-6538-rbee-22-04-0493.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

VIEIRA, R. A. Implicações pedagógicas da abordagem histórico-cultural: aproximações. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 9., 2009; ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3., 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2009. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/2951_1662.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ZIBETTI, M. L. T.; SOUZA, M. P. R. A dimensão criadora no trabalho docente: subsídios para a formação de professores alfabetizadores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 459-474, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a03v36n2.pdf. Acesso em: 8 nov. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 InFor

           

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476