Educação a Distância: tecnologias, diversidade e plurais

Raquel Silva Barretto

Resumo


A educação a distância no Brasil vive atualmente um momento de expansão. As pesquisas e dados demonstraram que a procura por cursos online tem crescido entre o público feminino e, uma boa parcela desses participantes tem idade superior a 40 anos. Nessa mesma perspectiva, verifica-se que essa modalidade chegou aos locais onde a educação formal apresentava dificuldades para se consolidar. O encontro entre os sujeitos e o aparato tecnológico de ensino perfaz novas e importantes relações, que repercutem na desconstrução de uma educação tradicional, com modelos hierárquicos e estruturas rígidas. Nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem os tutores e alunos horizontalizam os seus saberes, compartilham parte das suas realidades e produzem uma pedagogia que propicia a autonomia. O presente artigo visa inicialmente debater algumas questões que permeiam a educação a distância; em seguida são apresentados dados que demonstram a sua consolidação no país; por fim, um relato de caso possibilita uma reflexão mais aprofundada, quando através de uma proposta para a confecção de um curso livre à distância a inclusão digital reverberou no cotidiano de jovens, adultos e idosos.


Palavras-chave


Educação a distância, tecnologia, sociedade, desconstrução.

Texto completo:

PDF Resumo.MP3 COMPLETO.MP3

Referências


ABED. Censo EaD.br: relatório analítico da aprendizagem à distância no Brasil 2013. Curitiba: Ibpex, 2014. Disponível em: http://www.abed.org.br/censoead2013/CENSO_EAD_2013_PORTUGUES.pdf. Acesso em: 01 set. 2015.

BITTENCOURT, I. M. Implicações pedagógicas nos processos de ensino-aprendizagem como principal causa da Evasão em um Curso de Administração na Modalidade Distância. In: ENCONTRO DE ENSINO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE, 4., Brasília, 2013. Anais do 4º EnEPQ. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/EnEPQ/enepq_2013/2013_EnEPQ221.pdf. Acesso em: 20 ago. 2015.

BRASIL. Decreto nº. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5622.htm. Acesso em: 15 ago. 2015.

BRASIL. Decreto nº. 9.057, de 25 de maio de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm#art24. Acesso em: 10 jun. 2017.

COMITÊ DE ENTIDADES PÚBLICAS NO COMBATE À FOME E PELA VIDA [COEP]. Das ruas às redes: 15 anos de mobilização social na luta contra a fome e a pobreza. Coleção COEP - Cidadania em Rede. Rio de Janeiro: COEP, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ruas_redes_2008.pdf. Acesso em: 01 set. 2017.

FEENBERG, A. Racionalização subversiva: tecnologia, poder e democracia. Tradução de Anthony T. Gonçalves, 1991. Disponível em: https://www.sfu.ca/~andrewf/books/Portug_Racionalizacao_Subversiva_Tecnologia_Poder_Democracia.pdf. Acesso em: 10 set. 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GONÇALVES, C. S. A. A Educação a Distância no Brasil: da correspondência ao e-learning. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), 12.; SEMINÁRIO DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO (SIRSSE), 3.; ENCONTRO NACIONAL SOBRE ATENDIMENTO ESCOLAR HOSPITALAR (ENAEH), 9.; SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE (SIPD), 5., Curitiba, 2015. Anais do XII EDUCERE. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/18105_9530.pdf. Acesso em: 01 set. 2017.

MACHADO, F. S. N. et al. Utilização da tele medicina como estratégia de promoção de saúde em comunidades ribeirinhas da Amazônia: experiência de trabalho interdisciplinar, integrando as diretrizes do SUS. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 247-254, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n1/a30v15n1.pdf. Acesso em: 11 set. 2015.

MONKEN, M.; BARCELLOS, C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad. Saúde Pública, Rio de janeiro, v. 21, n. 3, p. 898-906, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n3/24.pdf. Acesso em: 10 ago. 2016.

NÚÑEZ, J. La ciencia y la tecnología como procesos sociales: lo que la educación científica no debería olvidar. La Habana: Editorial Felix Valera, 1999. Disponível em: http://www.oei.es/historico/salactsi/nunez02.htm. Acesso em: 05 ago. 2016.

PEDRO, R. Sobre redes e controvérsias: ferramentas para compor cartografias psicossociais. In: FERREIRA, A. et al. (Org.). Teoria Ator-Rede e Psicologia. Rio de Janeiro: Nau, 2010. p.78-96.

PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, Ano 20, n. 42, p. 377-391, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v20n42/15.pdf. Acesso em: 01 set. 2017.

SAKAGUTI, S. T. A evolução da EAD com alunos indígenas e sua inclusão digital na UNIGRAN. In: SEMINÁRIO NACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 4., Brasília, 2006. Anais do 4º SNABED. Disponível em: http://www.abed.org.br/seminario2006/pdf/tc001.pdf. Acesso em: 10 set. 2015.

VIDAL, E. M; MAIA, J. E. B. Introdução à Educação a Distância. Fortaleza: RDS Editora, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 InFor

             

InFor - Inovação e Formação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp by IEP3 - Unesp e Reitoria da Unesp is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Todos os direitos reservados ao Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP3), à Unesp e seus autores.

Based on a work at ojs.ead.unesp.br

infor.iep3 [arroba] unesp.br

ISSN 2525-3476